ABRE

ABC da arquitetura e da decoração

Você sabe o que é um alizar? E um pergolado? Talvez você até já ouviu falar, mas não saiba exatamente o que é. Pensando em facilitar a vida de quem está pensando em construir, reformar ou decorar sua casa, o Estilo VIA foi saber quais eram as palavras mais pronunciadas nas reuniões entre arquitetos e clientes e que claramente dá pra ver nos olhos destes últimos que alguém está “boiando” na explicação.

Então, pedimos ao arquiteto e designer Raffael Innecco e à designer de interiores Sonia Lacombe que fizessem uma lista de palavras para criar um glossário de arquitetura e decoração. Esse pequeno vocabulário, que não se encerra nesta lista, vai ajudar a compreender melhor os termos quando você estiver conversando com seu designer ou arquiteto e até mesmo na hora de ir a campo comprar os materiais de construção e acabamento. E o mais legal disso, é que ele vem com fotos ilustrativas para você não errar, ou, pelo menos, diminuir a margem de erro.

Agora, se você quer saber o significado de alguma palavra que esteja relacionada à obra, decoração e arquitetura, mande sua dúvida para o Estilo VIA e nós iremos em busca da resposta.

Alizar: Moldura normalmente de madeira que sobrepõe a junta entre o portal e a parede. Serve como acabamento para janelas e portas.

 

Aparador: É o móvel no formato de um balcão longo que pode ficar na entrada da casa, na sala de jantar ou na sala de estar. Serve para aparar pratos – no jantar -, copos e garrafas – no bar -, colocar as chaves – na entrada – ou porta retratos. Pode ser de vários formatos, tamanhos e modelos.

 

Arandelas: Luminárias de parede que, presas nas paredes, com iluminação pontual, deixam o ambiente mais charmoso.

 

Bandô: É uma faixa usada para esconder o trilho da cortina. Pode vir em tecido, madeira ou outro material, geralmente em padrão similar ao da cortina.

 

Balizador: Poste ou haste cilíndrica indicado para iluminar jardins, o acesso à casa e até mesmo escadas.

 

Basculante: Que gira em torno de seu eixo horizontal, normalmente uma “janela basculante”(inclinável). È mais apropriada para banheiros, por ter pouca abertura, mas se presta para outros ambientes também , mas sempre com muita parcimônia na aplicação.

 

Brise: O brise-soleil (expressão francesa cuja tradução literal seria quebra-sol, embora seja comum a utilização apenas da palavra brise em português) é um dispositivo arquitetônico utilizado para impedir a incidência direta de radiação solar no interior de uma casa, loja ou edifício, de forma a evitar o calor excessivo. O brise é formado por lâminas dispostas na forma vertical ou horizontal, como as persianas e venezianas, só que não se recolhem, apenas viram de um lado para o outro ou de cima para baixo. Outros objetivos do brise são os sombreamentos e a privacidade no ambiente.

 

Clarabóia: É uma abertura no alto das edificações destinada a permitir a entrada de luz ou a passagem de ventilação. A clarabóia é ecológica, pois evita o uso de lâmpadas, ar condicionado e ventiladores.

 

/p>

Cuba: Espécie de pia mais moderna que possui vários formatos que pode ser sustentada por um balcão ou por uma pedra de mármore, ou não. Existem modelos específicos para banheiro e cozinha.

 

Deck: Piso em madeira ripada, geralmente para circundar piscinas, banheiras e represamentos de água ou servir de palco, criando um desnível. É conhecido também como tablado.

 

Dimmer: Recurso utilizado para aumentar ou diminuir a intensidade da luz, o dimmer pode ser instalado no interruptor de parede, isoladamente para controlar cada lâmpada ou mesmo em conjunto, o que permite vários “climas” em um só ambiente. Esse recurso é econômico quando não é usada toda a capacidade da lâmpada.

 

Fundação baldrame: É a fundação que apóia a casa, mais comum nas fundações rasas. Trata-se de uma viga, que pode ser de alvenaria, de concreto simples ou concreto armado, construída diretamente no solo, dentro de uma pequena vala.

 

Mão-francesa: Suportes ou escora em formato triangular que fixa um componente à parede, diminuindo o vão livre no pavimento inferior. Serve para sustentar as prateleiras. Dependendo do projeto e da mão francesa, podem ficar à mostra.

 

Nicho: É uma abertura, cavidade ou reentrância nas paredes, destinada a abrigar armários, prateleiras ou até mesmo servir de estante para livros, louças e vasos. É comum na composição de bares ou em exposição de obras de arte. Podem ser de gesso, de alvenaria ou de madeira.

 

Lambris: Revestimentos em madeira ou PVC usados na decoração e no acabamento de tetos e paredes, tanto nas áreas internas como em varandas e pérgulas. Quando aplicados na parede, podem ser instalados em toda a parede – do chão ao teto – ou somente meia parede.

 

Lavabo: É um banheiro social só com pia e vaso, sem o chuveiro. É uma área destinada, normalmente, apenas para as visitas.

 

Laje: Estrutura de concreto ou outro material maciço que forma o piso/teto dos ambientes. Por cima se assentam os acabamentos de piso e por baixo se pode fazer um forro de gesso, por exemplo.

 

Ombrelone: É uma espécie de sombreiro de jardim ou guarda sol.

 

Ofurô: Banheira em forma de tina, arredondada, típica do Japão, feita de cedro. O (s) ocupante(s) fica(m) sentado(s). Geralmente, no findo tem um degrau para acomodar o (s) participante (s) do banho.

 

Paginação: Forma em que um elemento é disposto de forma repetida, como por exemplo, as lajotas de um piso que formam um desenho ou os vitrais de uma janela.

 

Pergolado ou pérgula: Estrutura vazada formada por uma repetição de vigas. Uma espécie de galeria ou corredor aberto para passear, construída em forma de ramada. Um passeio ou abrigo, em jardins, feito de duas séries de colunas paralelas e que serve de suporte para trepadeiras. Pode ser também aquele puxado de vidro em casas sem varanda.

 

Pivotante: Que gira em torno de seu eixo vertical. Normalmente é usado para falar de uma “porta pivotante” ou de uma “janela pivotante”. O eixo sobre o qual a peça gira fica preso no chão e no teto ou na parte superior do portal. E não tem dobradiças.

 

Portal: É a estrutura onde se fixa a porta.

 

Sanefa: Tem a mesma função de um bandô de uma cortina, esconder os trilhos, mas o material é de tecido.

 

Tesoura: Estrutura normalmente de madeira em forma de V ou W que sustenta, por exemplo, um telhado inclinado.

 

Tijolo refratário: Material cerâmico capaz de suportar elevadas temperaturas, variações bruscas de temperaturas e outras situações meteorológicas abversas. É utilizado em churrasqueiras, fornos de pizza, a lenha, lareiras, em caldeiras, em fundições e fornos de elevada temperatura.

 

Travertino: Não raro, algum arquiteto ou designer vai falar desse mármore. Não se assuste. É esse mesmo o nome. É um tipo especial de mármore muito usado em construções romanas. A pedra tem tons de branco, verde e rosa. Devido à sua composição, originária de áreas com grandes sedimentos calcários e de água doce, é comum encontrar marcas de ramos e folhas e pequenas cavidades em sua estrutura. O que lhe empresta um charme todo especial.

 

 

Faça um comentário sobre esta notícia