Brasília-Palace-Hotel

Athos Bulcão chega ao mundo virtual

Athos Bulcão passou 50 anos de sua vida em Brasília e fez história com suas mais de 200 obras, que se incorporaram à paisagem e à arquitetura moderna da capital federal. Considerado como um dos principais nomes do minimalismo de cores, o artista plástico ganha uma homenagem, que permitirá que sua obra seja apreciada nos quatro cantos do mundo. Para marcar os 55 anos de Brasília, comemorados em abril deste ano, o Instituto Cultural Google, site que reúne conteúdo cultural de todo o planeta, criou uma galeria virtual com algumas das obras mais icônicas de Athos Bulcão.

Por meio da Fundação Athos Bulcão, o público poderá conhecer algumas das obras mais icônicas do artista plástico. Com fotos de renomados fotógrafos, como Diego Bresani, Joana França, Edgar César e Tuca Reinés, a galeria virtual do Google traz 24 imagens dos painéis de azulejos de Athos Bulcão presentes em Brasília. Entre elas, estão imagens das obras encontradas no Aeroporto Juscelino Kubitschek, Teatro Nacional, Palácio do Itamaraty, Parque da Cidade, Mercado das Flores, Universidade de Brasília, Igrejinha Nossa Senhora de Fátima e outros.

Carioca de nascimento e brasiliense de coração, Athos Bulcão se dedicou às artes plásticas e à capital do país grande parte de sua vida. Trabalhou com Oscar Niemeyer na construção de Brasília, foi amigo e contribuiu para algumas obras de João Filgueiras Lima, o Lelé, onde deixou sua marca nos painéis criados para a Rede de Hospitais Sarah Kubitscheck. Seus projetos podem ser vistos em repartições públicas no Distrito Federal e em outras cidades, como Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Salvador.

O reconhecimento nacional e agora mundial de sua obra surge em um momento em que a capital federal começa também a reverenciar e se preocupar com a manutenção e a preservação dos painéis espalhados pela cidade. Já existem empresas de turismo de experiência que têm em seus roteiros passeios de bicicleta específicos para conhecer a rota dos azulejos de Athos Bulcão. Em abril deste ano, a Galeria Nara Roesler, de São Paulo, realizou a primeira mostra de painéis de Athos Bulcão fora de Brasília. O curador da mostra, Agnaldo Farias, que também foi curador da 29ª Bienal de São Paulo e do Pavilhão Brasileiro na 54ª Bienal de Veneza, comparou a obra de Athos à do artista plástico norte-americano Sol Lewitt, conhecido por sua obra minimalista, e foi além: “Athos Bulcão acabou com a tese de que o concretismo era mais racionalista e pobre no aspecto criativo, algo normalmente vinculado ao neoconcretismo. Sua obra também não ficou confinada a galerias e museus, e seus abstratos geométricos comprovam que ele foi um mestre das formas e cores, com suas linhas, círculos e polígonos”, afirmou Agnaldo. “Ele rompeu com a geometria padronizada justamente para se aproximar do público”.

Em 2014, a Via Empreendimentos entregou o residencial Via Ômega. Um empreendimento localizado no coração do Plano Piloto, na 404 Sul, onde os painéis que ocupam os pilotis do edifício foram criados Alexandre Mancini, artista representado pela da Fundação Athos Bulcão. A técnica utilizada por Alexandre para a colocação das peças sobre a parede segue a tradição do azulejista Athos Bulcão, deixando a montagem final dos painéis para a equipe de azulejistas, dando-lhes apenas as instruções iniciais.

Quer conhecer saber sobre a obra de Athos Bulcão presente no Instituto Google Cultural do Google, então acesse https://goo.gl/7gniKk.

Faça um comentário sobre esta notícia