Destaque-foto-04---divulgação

Construções Inteligentes

O círculo é virtuoso, a palavra de ordem é sustentabilidade. Para chegar lá, é importante a racionalização no uso de recursos naturais e no relacionamento com o meio ambiente. Diariamente, arquitetos e engenheiros pensam em como fazer dos edifícios ferramentas que ajudam a melhorar a vida nas cidades, integrar seus projetos à paisagem urbana sem deteriorá-la e a consumir água e energia de forma responsável, reduzir a produção de lixo e, até mesmo, a diminuir a emissão de dióxido de carbono. Mas não adianta apenas reduzir a quantidade de papel gasto nos escritórios, apagar as luzes ao sair, abrir as janelas se o formato do edifício obriga o consumo desnecessário dos recursos naturais. É neste ponto que se percebe que a edificação desempenha um papel fundamental para criar um ambiente de trabalho saudável. Esta é a proposta dos prédios inteligentes. Eles já estão por toda parte e cada vez mais agregam novas tecnologias em benefício da humanidade e do planeta. O que antes parecia filme de ficção científica, agora é realidade.

Para o arquiteto Sérgio Borges, da Atiwa Arquitetura, a preocupação com o meio ambiente e uso de recursos naturais deve pautar os novos e futuros projetos, sejam eles residenciais ou comerciais. Ele lembra que o homem não é apenas um ser exótico à natureza. E como tal é afetado por ela. “Se compararmos dois ambientes, exatamente com a mesma decoração, mesmo que luxuosa, sendo que um não tem iluminação natural (sem janelas) e o outro tem iluminação natural, o usuário se sentirá muito melhor no segundo ambiente, porque a luz natural é parte de sua vida diária e isso trará um conforto psicológico imensurável”, afirma.

Um prédio inteligente deve prezar pelo uso de materiais que ajudem a trazer a racionalização de recursos que, em última análise, serão de grande valor na preservação do meio ambiente. “Podemos trabalhar com madeira certificada, existem tintas, carpetes e outros materiais que são sustentáveis (possuem selo de sustentabilidade), temos ainda as luminárias LED que geram grande economia de energia e emitem pouco ou quase nada de calor, além de durar muitas vezes mais que uma lâmpada incandescente. Aplicar película solar nos vidros da fachada ajuda a diminuir a insolação no ambiente, evitando que o ar condicionado seja utilizado a todo momento.  Enfim, é a soma de várias ações que leva ao resultado que nos permite chamar determinado ambiente de sustentável”, concluiu Sérgio.

Os novos empreendimentos já nascem com instalações projetadas para o uso racional de recursos, tanto financeiros quanto naturais. Então, você já deve ter visto escadas rolantes que passam a funcionar só depois de alguém pisar no primeiro degrau, banheiros que acionam a descarga automaticamente após o uso, torneiras que liberam a água na medida certa enquanto o usuário lava as mãos, além disso, usam secadoras de mãos ao invés de papel toalha. Para os elevadores, computadores escolhem qual o ascensor disponível mais próximo do andar solicitado, e por aí vai. Com isso, ficam garantidos alguns benefícios como a economia na conta de água, de energia e até de papel. O que na ponta significa redução no uso de recursos naturais.

Um passo a frente

O edifício empresarial VIA Universitas, o mais novo lançamento da VIA, reúne em seu projeto uma série de itens que o colocam na lista dos prédios mais modernos e inteligentes de Brasília. Localizado na 516 Norte e com entrega prevista para fevereiro de 2015, o VIA Universitas  terá um reservatório de águas pluviais para a captação da água da chuva e permitirá o aproveitamento máximo da luminosidade natural por meio de vidros e brises em alumínio,proporcionando uma temperatura mais amena para otimizar o uso do ar-condicionado. Além disso, conta com automação predial avançada e estrutura completa para redes de telefonia, internet e intranet. As câmeras de monitoramento serão controladas por meio de sensores e cada escritório terá infraestrutura preparada para ar-condicionado tipo Split, permitindo que cada unidade use na medida certa segundo a sua necessidade.

Em todos os ambientes do VIA Universitas, conforto, acessibilidade, segurança e tecnologia estarão presentes, começando pelo acesso aos elevadores equipado com catracas eletrônicas. As salas terão dimensões variando entre 41m² e 89 m², ficarão distribuídas em quatro pavimentos e contarão com banheiro e garagem. No topo do edifício, cobertura com auditório para reuniões. Lojas com tamanhos entre 50 e 284m², com pé direito confortável para forros rebaixados e pisos elevados além de banheiros para pessoas com necessidades especiais.

Veja a perspectiva ilustrada do empreendimento VIA Universitas:

 

Assim como prédios de países considerados de primeiro mundo, os prédios brasileiros visam tornar sua manutenção mais econômica e reduzir o impacto ambiental sem abrir mão do conforto, funcionalidade e comodidade para todos.

Faça um comentário sobre esta notícia